IFPR discute feira trinacional de ciência e inovação – Instituto Federal do Paraná

Notícias

IFPR discute feira trinacional de ciência e inovação

Publicado em

Copiado!

Representantes do Parque Tecnológico Itaipu, de instituições de ensino da Argentina, do Brasil e do Paraguai e do poder público dos três países reunem-se para discutir a 1ª Feira Trinacional de Ciência e Engenharia. Evento acontece em novembro, em Foz do Iguaçu.

Na última terça-feira (28), o Cômite Gestor da 1ª Feira Trinacional de Ciência e Engenharia reuniu-se na Reitoria do IFPR para definir diretrizes e planejar a organização do evento, que acontece em novembro. Representantes do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), da Secretaria de Estado da Educação (SEED), Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) e do IFPR são os componentes brasileiros do Comitê Gestor, que conta, ainda, com a presença de representantes do governo e de instituições de ensino da Argentina e do Paraguai.

A 1ª Feira Trinacional é fruto de projeto apresentado ao Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) pelo PTI, no final de 2011. A partir do aceite, o Parque Tecnológico Itaipu buscou outras instituições que tivessem o interesse em integrar o projeto. O evento tem como público-alvo os estudantes do ensino fundamental e médio das instituições de ensino públicas e privadas dos Estados do Paraná, Alto Paraná (PY) e da província de Misiones (AR). Os estudantes podem participar através da submissão de trabalhos ou, então, como visitantes.

De acordo com os organizadores, a feira tem como o objetivo incentivar, entre os estudantes do ensino fundamental e médio, a inovação e a busca de respostas para problemas do cotidiano através da investigação científica. “Mais do que uma premiação de trabalhos científicos, a feira é também um movimento para estimular que os estudantes do ensino médio possam apresentar suas idéias de melhoria ou de novas tecnologias. É uma chance para que eles possam expor essas idéias seguindo o método científico, que é o método que é utilizado pela universidade e aceito pela sociedade científica”, explica Fabiano Pavoni Nogueira, Coordenador da Estação Ciência do Parque Tecnológico Itaipu. O incentivo da produção científica ainda no ensino médio também é apontado como o principal diferencial da 1ª Feira Trinacional de Ciência e Engenharia pelo Pró-Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação do IFPR, e integrante do Comitê Gestor, professor Paulo Yamamoto, “A grande vantagem em participar da organização do evento é que, dessa forma, estamos ajudado a construir uma cultura de iniciação científica entre o corpo discente. Além disso, será uma oportunidade para que os estudantes do IFPR possam avaliar sua produção em um âmbito internacional”, comenta.

Para Miguel Angel López, Secretário do Conselho Superior da Universidad Nacional de Misiones, uma das instituições integrantes do Comitê Gestor, a participação na feira poderá sensibilizar, também, outros atores do sistema educativo para a prática da ciência ainda durante o ensino médio. “A novidade dessa feira de ciência é que estamos agregando o conceito e o termo inovação. É como afirmar que temos que seguir criando coisas, descobrindo-as, pensar de forma diferente para resolver problemas ou apontar soluções”, afirma.

Uma próxima reunião está marcada para os dias 15 e 16 de março de 2012, em Curitiba.

 


Topo