Troque Sua Senha: DTIC lança campanha que orienta sobre utilização de senhas em e-mail e sistemas institucionais – Instituto Federal do Paraná

Notícias

Troque Sua Senha: DTIC lança campanha que orienta sobre utilização de senhas em e-mail e sistemas institucionais

Publicado em

Copiado!

Com o objetivo de conscientizar os servidores do IFPR sobre a importância de manter atualizadas as senhas utilizadas pelos servidores para acesso ao e-mail e aos sistemas institucionais – como o SIGRH, SIGAA e SIPAC, a Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC) lança a campanha “Troque Sua Senha”. A campanha baseia-se no disposto na Portaria 596, de 12 de setembro de 2013, que regulariza a utilização da assinatura eletrônico no âmbito do IFPR e orienta sobre a necessidade da troca periódica da senha de acesso aos sistemas institucionais. “Esta campanha visa incentivar a troca da senha dos sistemas e emails institucionais, promovendo uma melhorar segurança de informação, assim como alguns transtornos oriundos de acesso indevido”, explica o Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação, Eduardo Liquio Takao.

A campanha consiste na divulgação de dicas sobre como elaborar uma senha segura e a conveniência de atualizá-la periodicamente. As dicas foram elaboradas de acordo com as orientações do Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil.

Quer aprender mais sobre o assunto? Então acompanhe as dicas abaixo e troque a sua senha!

Dicas

1) Você deve alterar a sua senha imediatamente sempre que desconfiar que ela pode ter sido descoberta ou que o computador no qual você a utilizou pode ter sido invadido ou infectado. Algumas situações onde você deve alterar rapidamente a sua senha são:

• se um computador onde a senha esteja armazenada tenha sido furtado ou perdido;

• se usar um padrão para a formação de senhas e desconfiar que uma delas tenha sido descoberta. Neste caso, tanto o padrão como todas as senhas elaboradas com ele devem ser trocadas pois, com base na senha descoberta, um atacante pode conseguir inferir as demais;

• se utilizar uma mesma senha em mais de um lugar e desconfiar que ela tenha sido descoberta em algum deles. Neste caso, esta senha deve ser alterada em todos os lugares nos quais é usada;

• ao adquirir equipamentos acessíveis via rede, como roteadores Wi-Fi, dispositivos bluetooth e modems ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line). Muitos destes equipamentos são configurados de fábrica com senha padrão, facilmente obtida em listas na Internet, e por isto, sempre que possível, deve ser alterada;

2) Nos demais casos é importante que a sua senha seja alterada regularmente, como forma de assegurar a confidencialidade. Não há como definir, entretanto, um período ideal para que a troca seja feita, pois depende diretamente de quão boa ela é e de quanto você a expõe (você a usa em computadores de terceiros? Você a usa para acessar outros sites? Você mantém seu computador atualizado?)

3) Não convém que você troque a senha em períodos muito curtos (menos de um mês, por exemplo) já que, para conseguir se recordar, precisará elaborar uma senha fraca ou anotá-la em um papel e colá-lo no monitor do seu computador. Períodos muito longos (mais de um ano, por exemplo) também não são desejáveis pois, caso ela tenha sido descoberta, os danos causados podem ser muito grandes.

4) Uma senha boa, bem elaborada, é aquela que é difícil de ser descoberta e fácil de ser lembrada. Não convém que você crie uma senha forte se, quando for usá-la, não conseguir recordá-la. Também não convém que você crie uma senha fácil de ser lembrada se ela puder ser facilmente descoberta por um atacante.

Como elaborar uma boa senha?

Não utilize:

• Qualquer tipo de dado pessoal: evite nomes, sobrenomes, contas de usuário, números de documentos, placas de carros, números de telefones e datas (estes dados podem ser facilmente obtidos e usados por pessoas que queiram tentar se autenticar como você);

• Sequências de teclado: evite senhas associadas à proximidade entre os caracteres no teclado, como “1qaz2wsx” e “QwerTAsdfG”, pois são bastante conhecidas e podem ser facilmente observadas ao serem digitadas;

• Palavras que façam parte de listas: evite palavras presentes em listas publicamente conhecidas, como nomes de músicas, times de futebol, personagens de filmes, dicionários de diferentes idiomas, etc. Existem programas que tentam descobrir senhas combinando e testando estas palavras e que, portanto, não devem ser usadas;

 

Alguns elementos que você deve usar na elaboração de suas senhas são:

• Números aleatórios: quanto mais ao acaso forem os números usados melhor, principalmente em sistemas que aceitem exclusivamente caracteres numéricos;

• Grande quantidade de caracteres: quanto mais longa for a senha mais difícil será descobri-la. Apesar de senhas longas parecerem, a princípio, difíceis de serem digitadas, com o uso frequente elas acabam sendo digitadas facilmente;

• Diferentes tipos de caracteres: quanto mais “bagunçada” for a senha mais difícil será descobri-la. Procure misturar caracteres, como números, sinais de pontuação e letras maiúsculas e minúsculas. O uso de sinais de pontuação pode dificultar bastante que a senha seja descoberta, sem necessariamente torná-la difícil de ser lembrada;

 

Dicas práticas para a elaboração de boas senhas:

• Selecione caracteres de uma frase: baseie-se em uma frase e selecione a primeira, a segunda ou a última letra de cada palavra. Exemplo: com a frase “O Cravo brigou com a Rosa debaixo de uma sacada” você pode gerar a senha “?OCbcaRddus” (o sinal de interrogação foi colocado no início para acrescentar um símbolo à senha);

• Utilize uma frase longa: escolha uma frase longa, que faça sentido para você, que seja fácil de ser memorizada e que, se possível, tenha diferentes tipos de caracteres. Evite citações comuns (como ditados populares) e frases que possam ser diretamente ligadas à você (como o refrão de sua música preferida). Exemplo: se quando criança você sonhava em ser astronauta, pode usar como senha “1 dia ainda verei os aneis de Saturno!!!”.

• Faça substituições de caracteres: invente um padrão de substituição baseado, por exemplo, na semelhança visual (“w” e “vv”) ou de fonética (“ca” e “k”) entre os caracteres. Crie o seu próprio padrão pois algumas trocas já são bastante óbvias. Por exemplo: duplicando as letras “s” e “r”, substituindo “o” por “0” (número zero) e usando a frase “Sol, astro-rei do Sistema Solar” você pode gerar a senha “SS0l, asstrr0-rrei d0 SSisstema SS0larr”.

Topo